Notícia in DN,
03 Out 2017

Mensageiras de Einstein, as ondas gravitacionais valem Nobel da Física

A sua existência foi prevista há mais de cem anos por Albert Einstein, mas só em 2015 foram detectadas pela primeira vez. O trio de físicos que há décadas andava atrás das ondas gravitacionais viu agora o seu esforço reconhecido ao mais alto nível.

Albert Einstein, que transformou profundamente a visão que temos do Universo com a sua teoria da relatividade, do início do século XX, acertou outra vez. E tão certo estava que as ondas gravitacionais previstas teoricamente por ele há mais de 100 anos, mas fugidias a qualquer detecção durante décadas e décadas, foram finalmente registadas em Setembro de 2015 por dois grandes detectores nos Estados Unidos. Foi esse extraordinário feito científico, provando que as ondas gravitacionais existiam mesmo, que recebeu o Prémio Nobel da Física de 2017, atribuído esta terça-feira a um trio de investigadores nos Estados Unidos: Rainer Weiss (do Instituto de Tecnologia do Massachusetts), Barry Barish e Kip Thorne (ambos do Instituto de Tecnologia da Califórnia).

Na teoria da relatividade geral de 1915, Einstein descreve a gravidade como uma deformação do espaço-tempo. A matéria (e energia) deforma o espaço-tempo, o tecido que constitui o próprio Universo, criado há 13.800 milhões de anos pelo Big Bang. Uma maneira de ilustrar esta ideia da deformação do espaço-tempo pela matéria é pensar que o tecido do Universo é como uma folha de borracha elástica que é curvada por objectos pesados colocados em cima dela – como as estrelas, os planetas, mas também buracos negros ou galáxias inteiras. Por exemplo, o nosso Sol, que tem mais massa do que todos os planetas do sistema solar, vai deformar mais do que eles a “folha elástica” do espaço-tempo. Por isso, um objecto com menos massa do que o Sol que esteja nas suas proximidades, como os planetas do nosso sistema solar, vai ser atraído na direcção do objecto mais maciço e girar ao longo de uma linha curva e espiral.

Quando elaborou a sua obra-prima, Einstein já mencionava as ondas gravitacionais, mas viria a explicá-las melhor num artigo científico em 1918. As ondas de que Einstein falava são assim perturbações, ou ondulações, no espaço-tempo provocadas por qualquer objecto com massa em movimento, em particular objectos muito maciços como os buracos negros (estrelas com muita massa que morreram e originaram objectos superdensos de onde nem a luz escapa). Einstein previu que, na folha elástica do espaço-tempo, o movimento provoca ondas, tal como um navio deixa ondas na água. Ou como quando atiramos uma pedra para um charco.

Durante muitos anos, o próprio Einstein estava convencido de que nunca seria possível detectar as ondas gravitacionais e pensava que talvez até não passassem de uma ilusão matemática, como se lê na informação divulgada pela Real Academia Sueca das Ciências na cerimónia do anúncio do Nobel da Física de 2017. Só no final dos anos 50 a existência das ondas gravitacionais começou a ter alguma aceitação, ainda que muitos cientistas continuassem a duvidar delas, bem como da existência dos buracos negros.

A caça às ondas gravitacionais – conhecidas também por “mensageiros de Einstein” – começou nos anos 60. Joseph Weber, da Universidade de Maryland (EUA), construiu o primeiro detector para tentar captar as minúsculas ondulações provocadas no espaço-tempo por buracos negros. Causou um grande burburinho quando, nos anos 70, Weber disse que tinha detectado ondas gravitacionais. “No entanto, ninguém conseguiu repetir os resultados de Weber e as suas observações foram consideradas um falso alarme”, lembra a informação da Real Academia Sueca das Ciências.

 


2004-2017 Prof. Luís Perna. All rights reserved. Objectivos   |   Terms & Conditions