João Magueijo

João Magueijo (JM) é um cosmólogo com largo reconhecimento internacional, antigo aluno Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), onde concluiu a licenciatura em Física. Actualmente, é professor de Física Teórica no Imperial College da Universidade de Londres, depois de ter passado pela Universidade de Cambridge (St. John's College) onde fez o seu doutoramento (Trinity College).

Nos últimos anos atingiu uma maior notoriedade, que se tem traduzido numa presença frequente nos órgãos de comunicação, na sequência de vários trabalhos publicados em colaboração com alguns reconhecidos cosmólogos (Andreas Albrecht e John Barrow) ou isoladamente, nos quais desenvolve um quadro alternativo para resolver os famosos enigmas do modelo de Big Bang do Universo. Na perspectiva deste modelo, a grande uniformidade do Universo (a sua homogeneidade e isotropia, bem como as flutuações de densidade que estão na origem da formação de galáxias, eram assumidas como "condições iniciais" da teoria, sem nenhuma explicação aparente. Até há bem pouco tempo, todas as tentativas de ultrapassar este quadro e oferecer uma explicação com base em processos físicos calculáveis passavam por um Cenário Inflacionário no qual o Universo sofria um período de expansão acelerada, produzida por um campo enigmático conhecido pelo " inflatão". O mecanismo deste campo traduzia-se numa modificação do conteúdo material do Universo de tal modo que a gravidade ordinária de Einstein se tornava repulsiva e provocava uma fase de expansão "superluminal" do Universo.

JM e seus colaboradores interrogavam-se se seria a inflação a verdadeira solução para os enigmas do Big Bang. E numa tentativa de enriquecer o debate, avançaram outra alternativa à cosmologia inflacionária: em vez de alterar o conteúdo material do Universo, optaram por admitir uma velocidade da luz muito mais elevada no Universo primitivo, seguida de uma desaceleração para o seu valor actual. Com isto, conseguiram desenvolver um novo cenário onde grande parte dos referidos enigmas era resolvida. Porém esta alteração, a princípio admitida como uma simples hipótese de trabalho, não é aceite pela comunidade científica por entrar em conflito com a física actual, pois colide com um dos Postulados da Teoria da Relatividade Restrita de Einstein, o postulado da invariância da velocidade da luz no vácuo, c. Desde então, c é considerada como uma das constantes universais da física. Assim, a hipótese de JM e seus colaboradores vem chocar com um dos princípios sacrossantos da física moderna. É claro que JM te m perfeita consciência desta dificuldade, e por isso mesmo tem procurado ultimamente construir um quadro fisicamente razoável para de senvolver as teorias da velocidade da luz variável, que tem repercussões praticamente em toda a física actual. Daí a grande importância das investigações deste físico português a trabalhar no Reino Unido. Só o futuro dirá se estas teorias serão levadas a bom porto, apesar das naturais reticências levantadas por muitos físicos. Por mim, defendo que todos temos a ganhar com o enriquecimento de um debate que vai com certeza proporcionar uma melhor fundamentação das teorias físicas. Mas será que esta via tornará mais viável uma teoria quântica da gravitação? Ou será antes o caso que estes dois belos edifícios construídos no século XX permanecerão definitivamente separados, como alguns sugerem?

Publicações:

Magueijo, João - Faster Than The Speed of Light: The Story of a Scientific Speculation . Basic Books. 2003.
versão Inglesa


Nunca até hoje um autor português esteve no top ten dos livros mais vendidos nos Estados Unidos e em Inglaterra. Em Física basta dizer-se a palavra "luz" para que todos entoem «nada se move mais depressa do que a luz» - o que é de facto verdade. Mas a luz tem outra propriedade espantosa: propaga-se a uma e uma só velocidade, que é uma das constantes da natureza. Esta ideia foi consagrada por Einstein na sua teoria da relatividade restrita e é um dos pilares da física moderna. Mas se não for correcta? Em Mais Rápido que a Luz, o físico João Magueijo propõe uma especulação extraordinária: que a velocidade da luz tenha sido maior no universo primordial.

Tradução de Paulo Ivo Teixeira. Revisão de texto:Ana Isabel Silveira: Lisboa: Gradiva, 2003.

Sinopse

Mais Rápido Que a Luz - que será sem dúvida um dos livros mais polémicos do ano - é a história fascinante de como a ideia herege de um jovem físico genial poderá vir a destronar Einstein e a mudar para sempre o nosso modo de ver o mundo.

Em física, basta dizer-se a palavra «luz» para que todos entoem: Nada se move mais depressa do que a luz - o que é de facto verdade. Mas a luz tem outra propriedade espantosa: propaga-se a uma e uma só velocidade, que é uma das constantes da natureza. Esta ideia foi consagrada por Einstein na sua teoria da relatividade restrita e é um dos pilares da física moderna: todos lhe atribuem o estatuto de verdade religiosa. Mas e se não for correcta?

Em Mais Rápido Que a Luz, o físico teórico João Magueijo, doutorado pela Universidade de Cambridge, propõe uma especulação extraordinária: que a velocidade da luz tenha sido maior no universo primordial.

Por que é que alguém com trinta e poucos anos e quase de certeza com uma carreira brilhante à sua frente iria arriscar a reputação com uma ideia aparentemente tão descabida, que põe mesmo em causa Albert Einstein? Magueijo mostra neste livro original que a sua teoria da velocidade da luz variável (VSL) resolve alguns dos problemas mais difíceis da cosmologia. Embora quase todos aceitem que o cosmos teve origem num big bang, há aspectos do universo ainda por explicar. Há décadas que estes paradoxos enlouquecem os cientistas; eis que a VSL dá respostas geniais a todos de uma só vez. A teoria pode além disso ter consequências fabulosas quanto a viagens espaciais, buracos negros, dilatação do tempo e teoria das cordas. Muito ironicamente, talvez a VSL seja a porta para a teoria de grande unificação que escapou a Einstein.

De certa forma, não importa se é Einstein ou Magueijo quem tem razão: este livro é acerca das ideias e do seu lugar no mundo. É acerca de como os cientistas trabalham em conjunto e acerca do que os separa. É acerca do quanto é preciso lutar para que as nossas ideias sejam aceites. No fundo, Mais Rápido Que a Luz é a biografia de uma especulação científica.

É também a história de uma tentativa única de desvendar a natureza do universo. Magueijo encontra inspiração para a sua busca nos locais mais inesperados: em Goa, ao observar hippies movidos a ecstasy despedirem-se do sol; num pub arruinado de Notting Hill, ao discutir teoria das cordas com um colega; em Cambridge, ao atravessar os campos de jogos num dia cinzento...

Como Richard Feynman e outros antes dele, João Magueijo teve a temeridade de afrontar ideias aceites. Mais Rápido Que a Luz é a fantástica história dessa viagem, que ainda não chegou ao fim.

JOÃO MAGUEIJO é professor de Física Teórica no Imperial College de Londres, onde foi durante três anos Research Fellow (investigador) da Royal Society. Foi cientista convidado das Universidades da Califórnia em Berkeley e de Princeton, tendo-se doutorado em física teórica na Universidade de Cambridge.

John D. Barrow, Paul C. W. Davies, Charles L.
Harper Jr, editors. Science and Ultimate Reality: quantum theory, cosmology and complexity. CUP. 2004
Contribuição:

Joao Magueijo. A genuinely evolving universe.


2004-2017 Prof. Luís Perna. All rights reserved. Objectivos   |   Terms & Conditions